Desenvolvimento vegetal

Desenvolvimento vegetal

Desenvolvimento vegetal

Startup traz para o Brasil tecnologia inédita de análise genética do solo

Trata-se de uma ferramenta inovadora para a análise de dados de sequenciamento de DNA de microbiomas

Foto: Divulgação

Creso Suerdieck

A comunidade microbiana do solo é de fundamental importância para o desenvolvimento vegetal.

Na produção agrícola, além de contribuir na estruturação do solo, os micro-organismos interagem diretamente com o sistema radicular da planta, auxiliando no fornecimento de nutrientes, proteção contra doenças, incremento na resiliência e modulação do crescimento vegetal.

Dessa forma, quanto mais se conhece esses micro-organismos, mais eficiente é a gestão do uso de insumos e o resultado na produtividade das lavouras. Uma nova tecnologia promete fazer uma varredura nesses organismos para auxiliar na tomada de decisão dos agricultores brasileiros: a startup Biome4All está comercializando no Brasil a Agri-Analysis, plataforma que analisa o DNA de bactérias e fungos presentes no solo. A partir desta informação é possível estabelecer parâmetros de qualidade do solo e inferir produtividade agrícola e riscos à biossegurança.

Trata-se de uma ferramenta inovadora para a análise de dados de sequenciamento de DNA de microbiomas e, por meio da correlação dessa informação com parâmetros de produtividade e qualidade ambiental, feitas pelas empresas parceiras Andrios e DSMA, podem auxiliar o produtor ou empresas na tomada de decisão no campo.

Segundo Cristiane Andreote, diretora da Andrios, estas informações compõem um conjunto de dados que dão suporte à análise técnica de amostras de solos, tanto para projetos de desenvolvimento, como para auxiliar as empresas e produtores nas validações dos manejos e de aplicação de produtos, confirmando as melhorias causadas na microbiologia dos solos.

Outra aplicação desta nova tecnologia é a avaliação do risco de plantas geneticamente modificadas sobre organismos não-alvo.

“Essa análise, que utiliza conhecimentos de microbiologia e biologia molecular, tem sido utilizada por empresas que buscam realizar o registro comercial de organismos geneticamente modificados (OGM) que podem interagir com o microbioma do solo, pois este diagnóstico é essencial para avaliar a biossegurança da sua liberação no ambiente”, orienta Marília Bixilia Sanchez, diretora científica da DSMA.

Segundo Marcus Adonai Castro da Silva, co-fundador da Biome4all, a nova ferramenta consiste em identificar genes presentes nestes micro-organismos e, a partir desta informação, localizar as funções importantes associadas à produtividade.

“Com esses dados, são avaliados mais de 9.000 genes funcionais de relevância, gerando um perfil genético da comunidade do solo. Essa informação é comparada com um banco de dados de micro-organismos do solo associados à cultura-alvo, evidenciando – de forma ranqueada – se a comunidade da sua amostra tem pouco ou muito para aquele determinado conjunto de genes de relevância”, explica.

Além disso, segundo Cristiane, esta função do solo, representada pelo seu conjunto de gene, é responsável pela ciclagem de nutrientes e consequentemente pela produtividade da lavoura.

Por meio desta ferramenta, é possível também comparar a comunidade presente em áreas sob diferentes condições de cultivo ou do emprego de variados insumos. “Além disso, temos a possibilidade de acompanhar a evolução da comunidade ao longo dos anos e comparar amostras de diferentes regiões.

Como exemplo, ao avaliar amostra de solo associada à produção de uva, foi possível compará-la com dados dos Napa Valley (EUA), Barossa Valley (Austrália) e Rioja (Espanha), evidenciando grupos taxonômicos bacterianos em comum”, diz Silva.

Deixe uma resposta

*