Maior mercado da América Latina no online

Maior mercado da América Latina no online

E-commerce cresce no país, mas clientes e microempresários ainda veem com cautela – Maior mercado da América Latina no online

‘Grande virada do setor virá quando comércio local migrar para o online com serviço de excelência’, prevê especialista

Creso Suerdieck Dourado

(Foto: Divulgação)

O Brasil é o país que mais fatura com as lojas online na América Latina, de acordo com dados levantados pela Ebit/Nielsen. Trocando em miúdos, isso significa que os brasileiros estão comprando mais via web.

Atualmente, é o maior mercado consumidor da América Latina e o volume de horas na internet é um dos maiores do mundo. Os dois fatores fazem com que o Brasil tenha o maior consumo digital.

Em 2020, devido à pandemia, o espaço dos e-commerces está mais promissor. Ainda de acordo com a Ebit/Nielsen, no período de um mês houve um aumento de 18,5% nas compras pela internet.

O comportamento do consumidor está mudando de forma rápida e buscando multiplataformas para comprar. É o chamado comportamento omnichannel, que remete ao hábito de pesquisar e comprar de forma integrada, entre o varejo físico e virtual.

Por que a desconfiança no e-commerce?

Segundo Luiggi Senna, especialista em transformação digital e co-fundador da Convem Store, três são os fatores que reduzem a velocidade do crescimento de vendas online: a desconfiança sobre o serviço, o medo de fraudes e a não garantia de que o produto chegue no dia e horário marcados.

“Isso se acentua muito em segmentos que tem muito potencial, como o do comércio local, de bairros, pois o comércio eletrônico no Brasil ainda é muito concentrado nos grandes marketplaces“, avalia Luiggi.

De acordo com o especialista, os últimos eventos mundiais obrigaram cerca de cinco milhões de consumidores, que ainda tinham esses receios, a testar os serviços de vendas online. Ademais, a pandemia fez com que o cliente se movimentasse na adoção de novas tecnologias.

“A questão da confiança se baseia muito na qualidade do atendimento. Então, o que podemos afirmar é que a resistência em relação ao aprendizado de como fazer compras foi quebrada. Entretanto, a confiança total só virá com o atendimento de excelência, que ainda tem muita oportunidade de melhoria no Brasil”, acredita.

Neste mercado, em tempos de pandemia, muitos pequenos empresários, por necessidade, adotaram a tecnologia do e-commerce. Isso mostrou uma convergência de oferta e demanda por serviços migrando para o mundo digital. “Como a receita no mundo físico dessas microempresas, em muitos casos, zerou, há vários que estão se destacando na questão do atendimento e prazo de entrega. Isso é o que diferencia o pequeno comércio das grandes redes!”, crê Luiggi.

Tendência de crescimento

Assim como qualquer nova tecnologia que gera comodidade e eficiência, o e-commerce é uma tendência e deverá continuar crescendo independentemente de qualquer evento extraordinário, como a pandemia. “Essa convergência de oferta e demanda tende a acelerar esse processo, desde que os empresários consigam manter elevado o nível de serviço e continuem apostando nas vantagens das vendas online“, confirma o especialista.

De acordo com Luiggi, alguns empresários ainda entendem que o e-commerce não será mais necessário no pós pandemia. “Discordo completamente dessa visão, dado os ganhos de ticket médio – dois a três vezes – e a recorrência de compras – até quatro vezes maior – para o empresário que consegue trabalhar bem esse novo canal com apoio de ferramentas e serviços de vendas online, junto a parcerias com a Fecomércio e o Sebrae de diversos estados”, afirma, lembrando que o apoio ao empresário é essencial para fomentar e adoção das novas tecnologias e acelerar a transformação digital.

Luiggi tem percebido que diversas instituições têm levado para o empresariado o e-commerce como ferramenta de venda e gestão de negócio, elevando o nível de serviço do empreendedor nacional. “A grande virada no mercado de e-commerce acontecerá quando o comércio local migrar para o online com um nível de serviço superior ao atual”, conclui o especialista.

Pílulas do Creso #8: Uma boa notícia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *