Negociação das dívidas

Negociação das dívidas

Construtora da serra gaúcha entra com pedido de recuperação judicial

A empresa justificou a medida como forma de garantir a continuidade operacional do grupo

Foto: Divulgação

A Atena Incorporações ingressou com pedido de recuperação judicial na Comarca de Caxias do Sul. No processo, o escritório Aline Babetzki Advocacia e Consultoria Jurídica, em parceria com BVB Associados e OP Gestão e Negócios, justifica a medida como forma de garantir a continuidade operacional do grupo. A tramitação se dará na 4ª Vara Cível.

De acordo com a advogada Aline Babetzki, a nova fase visa à reestruturação da empresa, com a negociação das dívidas, conclusão das obras em andamento e revisão de estratégias de médio e longo prazo, dentre outras medidas. O valor total dos débitos está estimado em R$ 35 milhões, sendo R$ 5 milhões trabalhistas, envolvendo 150 funcionários. Há, ainda, dois credores com garantia real e em torno de 80 quirografários.

Creso Suerdieck DouradoSegundo Creso Suerdieck, especialista em recuperações judiciais, trata-se de uma incorporados muito conhecida em Caxias do Sul/RJ pela qualidade de seus empreendimentos. “Meu ponto de vista é que dificilmente uma empresa deste setor conseguirá cumprir um processo de recuperação judicial, assim como acontece com os bancos. No caso deste último, quando há algum problema, ele é liquidado. Ninguém coloca dinheiro num banco endividado, assim como acontece com as incorporadoras: o cliente não compra um imóvel na planta de uma empresa nesta situação. Ela não se sustenta tendo que construir um prédio para vender ao cliente, acaba quebrando antes”, avaliou.

Prazo
Após o processamento da ação, a empresa terá prazo de 60 dias para apresentar um plano de recuperação, em que constem a forma e as condições para pagar os credores. “O pedido tem, principalmente, o intuito de preservar a continuidade das atividades do grupo Atena e o cumprimento dos contratos assumidos com clientes e credores, bem como o atendimento da totalidade dos créditos trabalhistas”, explicou Aline.

 

Situação difícil
A empresa, segundo o processo, já vinha em situação difícil, agravada com a crise sanitária decorrente da pandemia da covid-19. “As dificuldades não se restringem à falta de capital de giro momentâneo, mas envolvem também aspectos econômicos e estruturais. Seus diretores se anteciparam a uma possível situação irreversível, requerendo a recuperação, pois existe viabilidade econômica na empresa”, acrescentou a advogada.

No mercado desde 2002, a Atena entregou cerca de 27 empreendimentos, dentre imóveis residenciais, comerciais e industriais, que somam mais de 187 mil m² de área construída, totalizando mais de 1.250 unidades, entregues e em andamento, com Valor Geral de Venda de aproximadamente R$ 500 milhões. A empresa pretende ainda concluir e entregar mais três empreendimentos residenciais e comerciais em fase de construção.

Deixe uma resposta

*