Oi cliente e infra Co

Oi cliente e infra Co

Oi Cliente Co e Infra Co: Oi prevê abrir sua infraestrutura óptica a concorrentes e outras empresas

Modelo em desenvolvimento deve ser executado por uma das duas empresas que serão criadas com a reestruturação da companhia

(Foto: Divulgação)

A Oi desenvolve um modelo de negócios de ponta-a-ponta que permitirá a contratação por terceiros de sua infraestrutura óptica até a casa do cliente final, informou o diretor de atacado da operadora, André Telles.

O modelo em desenvolvimento é parte de uma estratégia da Oi de reorganização de sua estrutura, a partir da criação de duas empresas distintas independentes e complementares. Uma delas (chamada provisoriamente de Oi Client Co) ficaria responsável pela prestação de serviços aos clientes residenciais e empresariais. A segunda (chamada de Infra Co) ofereceria infraestrutura de maneira neutra no mercado, inclusive para concorrentes da Oi. A cisão foi proposta num aditamento (acréscimo) ao plano de recuperação judicial que deverá ser votado em assembleia geral de credores prevista para agosto.

“Esses seis milhões de homes passed [domicílios onde já é possível contratar banda larga via fibra óptica da Oi] que a empresa de infraestrutura tem, ela [concorrente] poderia, sim, fazer uma parceria conosco e alcançar esses clientes”, disse o executivo, durante o evento digital Fórum das Operadoras Inovadoras, promovido pela Mobile Time e pela Teletime. “Estamos desenvolvendo esse modelo. Posso dizer que existe a ambição, sim, de fazer algo do tipo.”

Telles esclareceu que a contratação de infraestrutura pela Oi Client Co não ficaria restrita à rede da Infra Co. “No caso da Client Co, ela pode, sim, utilizar e obviamente vai utilizar esta infraestrutura que já está lá provida. E, quanto mais ela tiver necessidade, a Infra Co vai poder fazer, atender a esta necessidade. Mas é possível, sim, que a Client Co utilize, sim, a infraestrutura de outras operadoras, de outros parceiros, para poder da mesma forma prestar serviços aos clientes finais da Oi”, explicou o diretor.

A operadora terminou o primeiro trimestre deste ano com 5,6 milhões de casas passadas (homes passed), nas quais estão disponíveis para contratação os serviços de FTTH (fibra óptica até a casa do cliente).

Mesmo a rede que for construída pela Infra Co em função da demanda futura da Oi Client Co poderá ser usada por concorrentes, frisou Telles. “[A rede FTTH feita sob demanda] é compartilhável, sim. Estamos apenas desenvolvendo o modelo de negócios”, informou ele. A lógica do modelo é de que, quanto mais clientes ou parceiros estiverem nessa rede, mais rápido o investimento da Infra Co será amortizado.

Creso Suerdieck Dourado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *