Os fundos abutres

Os abutres são grandes aves de rapina, que voam em bandos e ficam observando atentamente um aspecto importante do seu cotidiano: a possibilidade de conseguir uma refeição fácil sem muito esforço. Com hábitos necrófagos (se alimentam de animais mortos), os abutres ficam de olho em restos de carniça e de partes de animais que foram deixados de lado por outro predador, que já estava satisfeito com o seu prato principal.

Essa introdução biológica é importante para entender o porquê da utilização da denominação desse animal exótico no mundo financeiro. Os fundos abutres procuram oportunidades no mercado por meio de análises e observação atenta das oscilações da economia, semelhante ao comportamento animal das aves que lhe deram o nome. Contudo, a semelhança para por aí.

Diferentemente desses animais, os fundos abutres procuram ativos e investimentos que demonstram algum sinal de vida, que estão se mexendo e lutam pela sobrevivência, mesmo que muito fracos. Se estivessem totalmente mortos, sequer chamariam a atenção dos analistas.

Ficou confuso? Vou te explicar melhor.

O que os fundos abutres procuram?
Chamados fora do Brasil de Vulture Capital, esses fundos – que podem ser constituídos como fundos multimercados – procuram oportunidades de investimento que estejam sendo negociados por preço inferior ao de face, ou seja, ao que eles efetivamente valem. Como assim?

Vamos a dois exemplos que nos ajudam a entender esse ponto

1 – O banco X tem uma carteira de crédito pessoal, sem garantia, que já está inadimplente há mais de 90 dias. Já iniciou os procedimentos de cobrança, mas vê pouca possibilidade de recuperação dos valores. Um fundo abutre pode comprar esses títulos com deságio, isto é, com um desconto em relação ao valor de face, e se aproveitar da sua expertise para cobrar dos devedores e recuperar parte ou a totalidade do montante devido.

2 – A empresa Y estava extremamente endividada nos últimos anos, e acabou recorrendo à Lei de Recuperação Judicial para tentar se reerguer. Desentendimentos entre sócios eram frequentes e os funcionários reclamam que não receberam todos os seus direitos trabalhistas. Nesse contexto, há fundos abutres especializados em comprar empresas nessa situação e realizar mudanças de gestão que possibilitam a sua recuperação. Depois de organizar a ‘cozinha’, o fundo vende sua participação e lucra com a diferença do valor pago na sua entrada.

Continue lendo…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *