Setor da aviação- 500 mil demissões

Setor da aviação: 500 mil demissões

Demissões no setor da aviação podem somar quase 500 mil até dezembro

Somente em agosto mais de 50 mil postos de trabalho foram fechados no setor

Crezo Suerdieck Dourado

O setor de aviação global eliminou mais de 350 mil empregos nos últimos seis meses, e mais demissões estão a caminho, de acordo com nova pesquisa que investiga o impacto da pandemia de coronavírus no segmento.

É possível que cheguem a marca de meio milhão de postos de trabalho com a inclusão de cerca de 25 mil cortes que não se enquadram nas principais categorias de companhias aéreas, fabricantes aeroespaciais e aeroportos, e outros 95 mil empregos que estão ameaçados, mas não foram anunciados formalmente, de acordo com Rowland Hayler, cofundador da consultoria Five Aero, que compilou o estudo.

A crise chegou até em empresas asiáticas e os aeroportos globais parecem estar reduzindo o total de demissões ao evitar cortes de empregos ou pelo menos não os divulgam, disse Hayler.

Companhias aéreas estão demitindo mais de 200 mil trabalhadores após meses de voos suspensos, que afetaram resultados e ameaçam a sobrevivência de muitas empresas. Com o aumento de casos de Covid-19 nos epicentros e volta das restrições, a demanda de passageiros continua em queda. Aeroportos podem precisar intensificar as demissões à medida que a extensão da recessão se tornar clara.

Mais de 80% dos cortes de empregos anunciados até agora foram na Europa e na América do Norte, embora as duas regiões respondam por apenas 49% do tráfego de passageiros de 2019, mostra o estudo.

Nas empresas asiáticas a prática das demissões costuma ser postergada ao máximo. Grandes aéreas como Cathay Pacific Airways e Singapore Airlines ainda não anunciaram planos permanentes para reduzir o número de funcionários, enquanto recebem ajuda do governo para pagar licenças. A expectativa é de que essas empresas anunciem demissões nas próximas semanas e meses.

Mais de 50 mil postos de trabalho foram eliminados em todo o setor em agosto, e a tendência indica que muitos mais cortes estão por vir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *