Como ficam os investimentos com a Selic a 2,25%?

O COPOM (Comitê de Política Monetária) do Banco Central anunciou no dia 18/06/2020, uma nova redução na taxa básica de juros. A decisão confirmou a expectativa do mercado de que a Selic cairia de 3% para 2,25% ao ano.

Uma segunda onda da pandemia do coronavírus no mundo, a retração global da economia e o desemprego no Brasil são alguns dos motivos que contribuíram para mais uma queda da Selic, segundo especialistas.

“A pandemia da covid-19 continua provocando uma desaceleração pronunciada do crescimento global. Nesse contexto, apesar de a provisão significativa de estímulos fiscal e monetário pelas principais economias e de alguma moderação na volatilidade dos ativos financeiros, o ambiente para as economias emergentes segue desafiador”, avaliou o Copom ao anunciar a decisão de quarta-feira.

Para Roberto Indech, estrategista chefe da Clear Corretora, o corte de 0,75 ponto percentual já era consenso e esperado pelo mercado, mas o que chamou a atenção no comunicado do Copom foi que o Banco Central colocou 2,25% como uma taxa adequada para esse momento, mas não se fechou em relação a novas mudanças.

“O comunicado traz a mensagem de que o Copom está satisfeito com esse valor da Selic nesse momento, mas se manterá aberto a possibilidade de realizar novos ajustes, de forma residual, dependendo da conjuntura econômica e dos impactos da pandemia nos próximos meses.”

Como fica poupança e renda fixa?

Continue lendo…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *