Maksoud Plaza

Maksoud Plaza pede recuperação judicial

Maksoud Plaza pede recuperação judicial

Pedido envolve dívidas da ordem de R$ 120 milhões, mas fica fora débito tributário de R$ 400 milhões.

Creso Suerdieck Dourado

O famoso hotel Maksoud Plaza entrou ontem com pedido de recuperação judicial na Justiça de São Paulo.

O pedido envolve dívidas da rodem de R$ 120 milhões, incluindo dívidas trabalhistas e demais credores. As dívidas tributárias, estimadas em R$ 400 milhões, ficaram fora do processo.

O pedido envolve o grupo Maksoud de hotéis, que inclui HM Hotéis (Maksoud Plaza), a Hidroservice (holding) e suas controladas Manaus Hotéis e Turismo e HSBX Bauru Empreendimentos.

“Quando assumimos o hotel em 2014, fizemos uma reestruturação no hotel e vínhamos manobrando as dívidas até 2019, mas com a pandemia ficou impossível manter esse passivo”, declara Henry Maksoud Neto, CEO da Maksoud Plaza.

Formado em Economia, Maksoud Neto contratou a consultoria Sonne para definir um plano estratégico para o hotel, implantou regras de governança corporativa, fez mudanças na oferta de serviços.

Em 2019, o hotel faturou R$ 72,5 milhões, ante R$ 43 milhões em 2014. O hotel fechou 2019 com margem líquida de 4%, o primeiro ano no azul desde 2000. A taxa de ocupação média ficou em 62%, ante 46% em 2014.

A maior dívida do Maksoud Plaza é com a Ajinomoto e gira em torno de R$ 80 milhões. Em 2005, o grupo vendeu um terreno para a Ajinomoto.

Três anos depois, em uma decisão da justiça, o mesmo terreno foi a leilão para pagar uma dívida trabalhista do grupo. A Ajinomoto entrou com ação na Justiça para reaver o valor do terreno.

Outra dívida, de R$ 7,4 milhões, refere-se a um processo movido pelo BMC, que foi adquirido pelo Bradesco em 2007. “Todas as dívidas são antigas. Não temos dívida bancária vencida”, afirmou Maksoud Neto.

A dívida mais recente, estimada em cerca de R$ 8 milhões, refere-se à dívida trabalhista gerada com demissões na semana passada.

Esse valor também inclui 30 ações trabalhistas antigas do grupo.
Maksoud Neto disse que o pedido de recuperação judicial foi feito incluindo as empresas do grupo porque sua intenção é usar ativos das empresas para ajudar a pagar as dívidas.

O patrimônio do grupo inclui um terreno de 7,7 mil metros quadrados no centro de Bauru (SP), que seria usado para a construção de um hotel e um shopping center, mas o Maksoud não teve recursos para isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *