Marcopolo fecha fábrica no Rio

Marcopolo fecha fábrica no Rio

Marcopolo fecha fábrica no Rio de Janeiro e vai transferir produção para o Espírito Santo

Planta de Duque de Caxias estava sendo usada pela fabricante de ônibus desde o final da década de 1990

Creso Suerdieck Dourado

A tradicional empresa Marcopolo informou ao mercado, na manhã desta sexta-feira (2), que o Conselho de Administração aprovou o encerramento das atividades da planta industrial localizada em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro, a partir do dia 30.

Segundo o comunicado, a decisão faz parte do processo de otimização de plantas e adequação da capacidade fabril da companhia.

A intenção da fabricante de ônibus, com sede em Caxias do Sul, é transferir a produção para a fábrica de São Mateus, no Estado do Espírito Santo.

No ano passado, a Marcopolo concluiu um processo para ampliar a produção, um investimento de R$ 14 milhões, que permitiu o início da fabricação de ônibus urbanos e escolares, justamente os que não serão mais produzidos em Duque de Caxias.

A planta do Rio de Janeiro é da década de 1950, quando foi fundada a Ciferal, encarroçadora de ônibus brasileira que foi comprada pela Marcopolo no final da década 1990.

A área tem 111 mil metros quadrados, sendo que o parque fabril possui 75 mil metros quadrados de área construída. Para se ter uma ideia do quanto a unidade que será fechada representa na fabricação da companhia, dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Ônibus (Fabus) mostram que 40% do que foi fabricado no mês de agosto deste ano pela Marcopolo saíram da planta carioca.

Desde a última crise, a companhia vem estudando a otimização das fábricas. Em 2016, um levantamento já mostrava que a empresa tinha mais capacidade fabril do que precisava. Desde então, foi fechada a unidade Planalto da Marcopolo em Caxias.

Com o encerramento das operações no Rio de Janeiro, as atividades da Marcopolo vão se concentrar na fábrica do Espírito Santo e nas duas unidades de Ana Rech, em Caxias do Sul.

Atualmente, a unidade de Duque de Caxias tinha cerca de mil funcionários, mas este quadro já chegou a ter o dobro de tamanho. Os profissionais estão sendo transferidos para a unidade de São Mateus.

Na informação repassada aos investidores, a Marcopolo confirma que a concentração das operações brasileiras em um número menor de fábricas vem contribuindo para a redução de custos e incremento da eficiência.

A empresa informa ainda que as melhorias operacionais alcançadas nos últimos anos permitirão que as plantas remanescentes tenham capacidade suficiente para absorverem a recuperação de volumes à medida que os mercados se regularizarem, em um cenário pós-pandemia.

A notícia representa a perda de mais uma empresa tradicional que deixa de manter negócios no Estado do Rio de Janeiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *