Sem origem animal

Sem origem animal

Sem origem animal

Criado na pandemia, Portal Vegano reúne 130 lojas virtuais com 3,2 mil produtos

Missão foi unir em um único ambiente virtual produtos veganos, como alimentos e cosméticos

Foto: Sócios do Portal Vegano-Divulgação

Lançado no dia 12 de março de 2020, início da pandemia do coronavírus, o Portal Vegano é uma startup que reúne em um único site produtos sem nenhum componente de origem animal e livre de crueldade. Estão lá desde alimentos, cosméticos, produtos para cuidados pessoais e terapêuticos, para pet, para casa e até roupas e acessórios. A ideia da empresa é facilitar a vida do consumidor que se depara com a dificuldade de encontrar os produtos em estabelecimentos físicos nas suas cidades ou até mesmo em buscas na internet.

O portal conta, atualmente, com 130 lojas cadastradas reunindo 3.200 produtos ativos. Os chocolates lideram as vendas, atendendo de forma abrangente a quem enfrenta alguma restrição alimentar com açúcar, lactose ou glúten. O mesmo potencial de crescimento é identificado nas categorias cosméticos e de cuidados pessoais.

Desde que foi criada, há nove meses, o crescimento da startup é exponencial. Entre os meses de abril e novembro, a quantidade de pedidos no Portal Vegano aumentou mais de 12 vezes e as vendas mais de 15 vezes, fechando um crescimento médio de 47% ao mês. O perfil de público é formado por 90% de mulheres, sendo que 40% têm entre 25 e 34 anos e 70% de seus consumidores estão na faixa dos 18 aos 44 anos. Laíza Dalmaso, 28 anos, idealizadora do Portal Vegano, vegana, advogada e estudante de nutrição, explica:

“A intenção é contribuir para que o veganismo se torne cada vez mais fácil e acessível. Com variedade de produtos em único site e entrega para todo o país, pretendemos poupar as pessoas dessa peregrinação em lojas virtuais ou físicas para conseguir algumas opções veganas”, afirma.

Junto a ela na sociedade somam-se o engenheiro mecânico e especialista em e-commerce Vinícius Machado, 28; o administrador Fernando Machado, 48, e a administradora e também advogada Cristiane Durante, 49.

Apesar do quadro econômico atual do país, dificultado com o aumento dos casos de coronavírus, os sócios do negócio estão enxergando 2021 com otimismo e estimam um crescimento de 25% ao mês no próximo ano.

Creso Suerdieck Dourado

Deixe uma resposta

*